"Neste momento desafiante da nossa história, lembremo-nos que nós, as centenas de milhares, os milhões de mulheres, transexuais, homens e jovens que estão aqui na Marcha das Mulheres, representamos a poderosa força de mudança que está destinada a evitar que as mórbidas culturas do racismo, hetero-patriarcado se ergam novamente. Reconhecemos que somos agentes coletivos da história e que a história não pode ser apagada como páginas da web. Sabemos que nos reunimos esta tarde em terras indígenas e seguimos a liderança dos primeiros povos que, apesar da maciça violência genocida, nunca renunciaram à luta pela terra, pela água, pela cultura e pelo seu povo. Saudamos especialmente hoje o Standing Sioux Rock (reserva indígena no Dakota do Sul e no Dakota do Norte, nos EUA).¶ As lutas de liberdade dos negros que moldaram a própria natureza da história deste país não podem ser apagadas num abrir e fechar de olhos. Não podemos ser obrigados a esquecer que as vidas negras importam. Este foi um país ancorado na escravidão e no colonialismo, o que significa, para melhor ou pior, que a própria história dos Estados Unidos é uma história de imigração e escravização. Espalhar a xenofobia, lançar acusações de homicídio e violação e construir muros não apaga a história. ¶ Nenhum ser humano é ilegal. ¶ A luta para salvar o planeta, para parar as mudanças climáticas, para garantir que a água chegue às terras do Standing Sioux Rock, Flint, Michigan, da Cisjordânia e Gaza. A luta para salvar a nossa flora e fauna, para salvar o ar - este é o ponto zero da luta pela justiça social. ¶ Esta é uma marcha das mulheres e esta marcha das mulheres representa a promessa do feminismo contra os poderes perniciosos da violência do Estado. E o feminismo inclusivo e interseccional que nos convida a todos nós a juntar-se à resistência ao racismo, à islamofobia, ao anti-semitismo, à misoginia, à exploração capitalista. ¶ Sim, saudamos a luta por 15$ (greve dos trabalhadores da fast food para reinvidicação de salário mínimo de 15$ à hora e a criação de um sindicato). Nós dedicamo-nos à resistência coletiva. Resistência aos bilionários aproveitadores de hipotecas e gentrificadores. Resistência aos que nos privam da saúde. Resistência aos ataques aos muçulmanos e aos imigrantes. Resistência aos ataques a pessoas com deficiência. Resistência à violência estatal perpetrada pela polícia e pelo complexo industrial prisional. Resistência à violência institucional e íntima de gênero, especialmente contra mulheres transexuais de cor. ¶ Os direitos das mulheres são direitos humanos em todo o planeta e é por isso que dizemos: liberdade e justiça para a Palestina. Celebramos a iminente libertação do Chelsea Manning e Oscar López Rivera. Mas também dizemos: libertem Leonard Peltier. Libertem Mumia Abu-Jamal. Libertem Assata Shakur. ¶ Ao longo dos próximos meses e anos, seremos chamados a intensificar as nossas exigências de justiça social para nos tornarmos mais militantes na nossa defesa das populações vulneráveis. Aqueles que ainda defendem a supremacia do hetero-patriarcado masculino branco devem ter cuidado. ¶ Os próximos 1.459 dias da administração Trump serão 1.459 dias de resistência: resistência no chão, resistência nas salas de aula, resistência no trabalho, resistência na nossa arte e na nossa música. ¶ Este é apenas o começo e nas palavras da inimitável Ella Baker, "Nós que acreditamos na liberdade não podemos descansar até que ela venha". Obrigado."

Marcha das Mulheres, 21 jan. 2017, Washington

"At a challenging moment in our history, let us remind ourselves that we the hundreds of thousands, the millions of women, trans-people, men and youth who are here at the Women's March, we represent the powerful forces of change that are determined to prevent the dying cultures of racism, hetero-patriarchy from rising again. ¶ We recognize that we are collective agents of history and that history cannot be deleted like web pages. We know that we gather this afternoon on indigenous land and we follow the lead of the first peoples who despite massive genocidal violence have never relinquished the struggle for land, water, culture, their people. We especially salute today the Standing Rock Sioux. ¶ The freedom struggles of black people that have shaped the very nature of this country's history cannot be deleted with the sweep of a hand. We cannot be made to forget that black lives do matter. This is a country anchored in slavery and colonialism, which means for better or for worse the very history of the United States is a history of immigration and enslavement. Spreading xenophobia, hurling accusations of murder and rape and building walls will not erase history. ¶ No human being is illegal. ¶ The struggle to save the planet, to stop climate change, to guarantee the accessibility of water from the lands of the Standing Rock Sioux, to Flint, Michigan, to the West Bank and Gaza. The struggle to save our flora and fauna, to save the air—this is ground zero of the struggle for social justice. ¶ This is a women's march and this women's march represents the promise of feminism as against the pernicious powers of state violence. And inclusive and intersectional feminism that calls upon all of us to join the resistance to racism, to Islamophobia, to anti-Semitism, to misogyny, to capitalist exploitation. ¶ Yes, we salute the fight for 15. We dedicate ourselves to collective resistance. Resistance to the billionaire mortgage profiteers and gentrifiers. Resistance to the health care privateers. Resistance to the attacks on Muslims and on immigrants. Resistance to attacks on disabled people. Resistance to state violence perpetrated by the police and through the prison industrial complex. Resistance to institutional and intimate gender violence, especially against trans women of color. ¶ Women's rights are human rights all over the planet and that is why we say freedom and justice for Palestine. We celebrate the impending release of Chelsea Manning. And Oscar López Rivera. But we also say free Leonard Peltier. Free Mumia Abu-Jamal. Free Assata Shakur. ¶ Over the next months and years we will be called upon to intensify our demands for social justice to become more militant in our defense of vulnerable populations. Those who still defend the supremacy of white male hetero-patriarchy had better watch out. ¶ The next 1,459 days of the Trump administration will be 1,459 days of resistance: Resistance on the ground, resistance in the classrooms, resistance on the job, resistance in our art and in our music. ¶ This is just the beginning and in the words of the inimitable Ella Baker, 'We who believe in freedom cannot rest until it comes.' Thank you."

Women’s March, 21th jan 2017, Washington